sexta-feira, 23 de junho de 2017

Saiba como ele superou a depressão e se tornou um empreendedor de sucesso

O convidado de hoje para contar sua história é o Fábio Felippe, de 51 anos. Empreendedor desde os 25 anos, depois que seu sócio resolveu sair da empresa ele se viu no fundo do poço, sem dinheiro e teve que voltar a morar na casa dos seus pais.

Naquele momento tão difícil de sua vida Fábio percebeu que tinha que virar o jogo. Para isso ele ressignificou sua vida, despertou a motivação e encontrou um novo propósito que se transformou num negócio de sucesso que ajuda outros empreendedores a alavancarem seus negócios.

Quer saber que negócio é esse? Empreender também é seu sonho? E você que tem algum tipo de deficiência e não conseguiu ingressar no mercado de trabalho já pensou em abrir um negócio? Então confira a história de Fábio e reflita sobre tudo isso.

1- Quem é Fábio Felippe?

Fábio Felippe é um rapaz de 51 anos. Nasci no Rio de Janeiro. Bem humorado. Solteiro, sem filhos. Convicto que atingi o auge da minha maturidade. Sei bem o que quero, que é continuar ajudando pessoas comuns desse nosso país a empreender, e alavancar suas carreiras. Bem como também quero constituir um dia minha família e ser pai.

2-Fale-nos sobre a sua deficiência. E como você, seus pais, familiares e amigos entenderam, essa condição humana?

Eu sou portador de amiotrofia espinhal tipo III. Aos 3 ou 4 anos de idade, minha mãe reparou que eu não fazia os movimentos como as outras crianças e começou a me levar nos médicos aqui no Rio de Janeiro.  Desde então, essa relação de entendimento da minha doença com meus pais, amigos e familiares, sempre foi de forma muito fácil e tranquila. Meus pais sempre cuidaram muito bem de mim e até hoje cuidam. Nunca tive problemas, nem preconceitos.

3 -Como foi sua infância e adolescência?

Minha infância foi normal, como toda criança, brinquei muito na rua de bola, pipa, bola de gude, essas coisas. E minha adolescência também foi tranquila. Eu era tímido. Não tive namorada nessa época. Mas depois descontei...rsrs. Depois dos 25 anos, fiquei mas maduro, controlei minha timidez e namorei bastante.  

4-Por que você resolveu empreender?

Comecei a empreender quando comecei usar a cadeira de rodas aos 25 anos. Foi aí que dei início a um trabalho dentro da minha própria residência. A partir daí, meu entendimento é que eu tinha uma empresa, mesmo trabalhando sozinho dentro do meu quarto.

5-Como é ser um empreendedor sobre rodas no Brasil?

Tenho alguns limites físicos. Só isso. Se você cuidar da sua cabeça, nada tem limites. A grande questão é a mente. Trabalhando seu psicológico, sua energia e motivação, você consegue tudo.  

6- Quando a sociedade de sua primeira empresa acabou você ficou depressivo, sem dinheiro, tendo que voltar a morar na casa dos seus pais. Diante desse quadro como você saiu do fundo do poço e se tornou Mentor e Consultor em Negócios Digitais?

Eu saí do fundo do poço porque eu tinha foco. Eu sabia onde eu queria chegar. E sabia também que eu deveria me reerguer passo a passo. Sem pressa. Todo dia fazendo um pouco o que eu sabia fazer, eu iria ter sucesso. A frase é: "Faz o que pode, com aquilo que você tem". Esse era meu lema, que eu repetia todo dia, como um mantra. E me tornei Consultor e Mentor depois de fazer todos os cursos da Especialista em marketing digital Ana Tex. Fazer os cursos, e posteriormente construir uma amizade a ponto de me tornar um parceiro de negócios foi fundamental para minha carreira.

7- Quais os maiores erros que os pequenos e médios empreendedores cometem?

Não começam pequeno. Não começam simples. Se você quer ter um restaurante, tem que começar vendendo quentinha em casa. Quer ter uma loja de moda? Começa vendendo roupas pra amigas no Facebook. Tem que ter humildade e começar com pouco dinheiro. Pouco dinheiro quanto? Começar com 100 reais, por exemplo. Vou deixar a dica de um curso de um parceiro meu que ensina exatamente isso: "Como começar com pouco dinheiro um negócio". CLICA AQUI: http://bit.ly/futuroempreendedor

Ou você se torna um especialista em começar com pouco dinheiro, ou você quebra logo. Investir naquilo que você não conhece porque alguém te deu umas dicas, é furada. Você vai quebrar em pouco tempo.

8-Qual a missão, a visão e os valores do Mentor e Consultor em Negócios Digitais?

Minha missão: ensinar pessoas comuns a empreender com as novas mídias digitais. Minha visão é: vem aí um mundo mais humano com essa nova forma de trabalho digital. Meus valores são: trabalhar com amor no coração, ética e excelência no atendimento ao cliente.

9- Que mensagem você deixa para os leitores do Blog?

A mensagem é: usem as redes sociais para ensinar e inspirar. Se você utilizar as redes sociais com esse propósito, ensinar tudo que você sabe e inspirar pessoas, você fica rico. Rede social é instrumento de riqueza pra quem sabe usar ensinando e inspirando.

Finalizo, agradecendo.Muito obrigado pela oportunidade Claudinha e parabéns pelo blog. E fica o convite a todos a me seguir no Instagram: @fabiofelipperj

Beijos, um abraço

Fábio Felippe,muito obrigada por compartilhar sua história e por nos alimentar com a sua mensagem.E você acha que a história dele poderá contribuir de forma positiva tanto para você quanto quanto para os atuais e futuros empreendedores?

Então, curtam e compartilhem essa história com aquele seu amigo que tem um pequeno negócio e está precisando alavancar as vendas.

E se quiser saber mais detalhes sobre Fábio Felippe vá lá na minha página do Facebook depapocomclaudinha que tem um vídeo dele.E não esqueçam de me acompanhar no Instagram @claudiacma7 e no facebook  depapocomclaudinha.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Pessoas com deficiência podem ter cadeira de rodas de forma gratuita pelo SUS

Kedma Daniele tem 28 anos e é servidora pública em Teresina. Aos 25, por conta de uma doença neurológica que afetava sua coordenação motora, ela passou a ter dificuldade para andar e a necessitar do auxílio de cadeira de rodas para locomover-se. Inicialmente, ela encarou aquela notícia com tristeza. Hoje, no entanto, o relato dela é, além de um exemplo de superação, um testemunho de que é possível ter uma vida normal e feliz sobre rodas.
A jovem conta que se deparou com uma nova realidade, à qual teria que adaptar-se. “Não foi nada fácil, resisti o máximo que pude porque meu olhar focava apenas no negativo da situação. Com o tempo e com as circunstâncias, ambos frutos do agir de Deus, permiti-me um novo olhar a partir do entendimento de que a cadeira de rodas me trazia liberdade traduzida em capacidades que eu já havia perdido”, afirma.
A servidora pública diz que obteve sua cadeira de rodas pelo SUS e que isso a auxiliou em todo o processo de conquista de autonomia. Assim como ela, outras centenas de pessoas na capital são beneficiadas com o equipamento por meio da rede pública de saúde. Em Teresina, a Secretaria Municipal de Saúde fornece gratuitamente diversos modelos de cadeiras de rodas, como cadeiras padrão, motorizada e higiênica (para banho).
Para Kedma, o serviço da rede pública de saúde em Teresina favorece a pessoa com deficiência. “Só posso oferecer meus aplausos ao SUS. Por experiência própria, posso atestar a importância do mesmo ao contemplar as pessoas com um meio de locomoção que lhes gera autonomia, a possibilidade de sair de um local para outro sem intervenção de terceiros e a sensação de liberdade adquirida, apenas compreendida por outro cadeirante”, conclui.
Como conseguir uma cadeira de rodas pelo SUS:
1.Vá ao posto de saúde mais próximo da sua residência.
2.Se houver necessidade, o médico faz a solicitação da cadeira de rodas adequada ao seu caso.
3.Junte a solicitação do médico e a cópia dos seus documentos pessoais (RG, CPF, comprovante de residência atualizado e cartão do SUS).
4.Se morar em Teresina, você entrega toda a documentação do item 3 na Secretaria Municipal de Saúde de Teresina, localizada na Av.Miguel Rosa, antigo prédio da Jacaúna, bairro centro sul. Se morar no interior do Piauí, a entrega da documentação é na Secretaria de Saúde do seu município de origem.
5.Aguarde contato telefônico do Centro Integrado de Reabilitação (CEIR), prestador responsável pela dispensação das cadeiras de rodas.
E aí, gostou do post? Então aperte no botão curtir, compartilhe com os amigos e me acompanhe nas redes sociais.Pra mais dicas de acessibilidade, educação, consumo consciente e economia simplificada me siga no instagram @claudiacma7 e no facebook depapocomclaudinha é de graça.

Fonte:redacao@cidadeverde.com e @casadaptada

domingo, 18 de junho de 2017

Tecnologia ajudou deficiente visual assumir as rédeas da sua vida financeira

Todo mundo deveria saber quanto entra e quanto  sai do seu bolso. Mas, seja por preguiça ou por negação muita gente não tem o hábito de controlar suas finanças.
Eu mesma tinha muitas dificuldades de organizar as minhas  contas, nem olhava para o extrato bancário, fazia uma simples contabilidade mental ou a famosa “contas de cabeça” e menosprezava os pequenos gastos como a compra de um batom, de um perfume, a ida ao salão de beleza e ainda cai no “conto” do título de capitalização.
Parece mentira, mas foi no dia da descoberta que o título de capitalização é um “mico” é que eu descobri que eu era totalmente analfabeta na matéria educação financeira.A partir desse dia comecei a estudar esse assunto todos os dias. Acompanho vários sites de economia, compro livros de educação financeira e acompanho muitos canais no youtube com esse assunto.E sabe qual foi a primeira coisa que eu aprendi?
É que a organização financeira pessoal começa quando assumimos  a responsabilidade de cuidar do nosso próprio dinheiro e ter a disciplina de anotar todos os gastos. Ou seja, precisamos criar o hábito de organizar as contas e sempre está visualizando. Para isso, existem várias ferramentas como aplicativos, planilhas e até mesmo o simples caderninho.
Tentei todos eles e o aplicativo Mobills foi o que se adequou melhor a minha realidade. Lá eu registro todos os meus gastos por categoria e posso analisar o quanto gasto em alimentação, saúde, beleza, livros etc. E o melhor ele pode ser utilizado tanto no celular como no computador.
Eu fiquei super feliz quando vi um vídeo no Youtube no qual relata a experiência de Luciana Oliveira com um aplicativo de organização financeira. Ela é deficiente visual e conta no vídeo abaixo que “após começar a usar o aplicativo, [...] conseguiu organizar sua vida financeira ao ponto de sempre ficar com a conta “‘no azul’”.Quer saber que aplicativo é esse? Veja o vídeo abaixo.
 
Gostou desse conteúdo? Quer ficar mais magra, bonita e rica? Então, aproveite a segundona e baixe um aplicativo, faça uma planilha no computador, pegue o velho caderninho e um calçado confortável e comece a se exercitar, fazer uma dieta e anotar todos os seus gastos.😉
Pra mais dicas de acessibilidade, consumo consciente, pechinchas e economia simplificada me siga no instagram @claudiacma7 e no facebook depapocomclaudinha é de graça.


quinta-feira, 15 de junho de 2017

Como vai funcionar cartão do governo para reforma de casas de famílias com baixa renda

O plenário do Senado aprovou nesta semana a Medida Provisória 751/16, que cria o Cartão Reforma para subsidiar a compra de materiais de construção destinados à reforma, ampliação, promoção da acessibilidade ou conclusão de obras em imóveis de famílias de baixa renda. O texto está à espera da sanção presidencial.
Terão direito ao benefício as famílias com renda mensal de até R$ 2,8 mil. O programa terá cerca de R$ 1 bilhão em recursos, e a estimativa do governo é beneficiar 100 mil famílias.
Entenda as regras e como vai funcionar o Cartão Reforma:
- Para famílias com renda mensal de até R$ 2,8 mil.
- O valor destinado a cada família pode variar entre R$ 2 mil e R$ 5 mil, a depender de critérios que serão elaborados em regulamentação posterior do Ministério das Cidades.
- O Cartão Reforma terá R$ 1 bilhão para disponibilizar em 2017. Desse montante, 20% serão destinados a famílias moradoras de zonas rurais. Outros 15% dos recursos custearão a assistência técnica para as obras, por intermédio da contratação, pelas prefeituras, de profissionais que darão apoio e consultoria aos projetos dos moradores.
- Terão prioridade no atendimento famílias cujo responsável pela subsistência seja a mulher, tenham idosos e pessoas com deficiência.
- O benefício não poderá ser acumulado com outros subsídios concedidos pelo governo, exceto os concedidos a pessoas físicas há mais de dez anos.
- A administração dos recursos do Cartão Reforma ficará a cargo da Caixa Econômica Federal, mas bancos estaduais também poderão operacionalizar o programa.
- Os beneficiários receberão o valor na forma de crédito para usar na compra dos produtos.
- Para receber o Cartão, o beneficiário titular deverá ter mais de 18 anos e ser proprietário de imóvel residencial em área regularizada ou passível de regularização. O benefício não será valido para imóveis cedidos, alugados ou comerciais.
O artigo foi útil? Deseja mais algum esclarecimento sobre o Cartão Reforma?Então vá lá na minha página do Facebook depapocomclaudinha que tem um vídeo explicando tudo de forma bem didática.Pra mais dicas de acessibilidade, consumo consciente, pechinchas e economia simplificada me siga no insta @claudiacma7 e no facebook depapocomclaudinha é de graça.


*Com informações da Agência Brasil e Senado

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Como falar sobre a crise financeira com as crianças?

Por DSOP Educação Financeira*
Muitas famílias brasileiras atravessam um período de dificuldades financeiras, enfrentando inclusive o problema do desemprego. Mesmo ainda pequenas, as crianças vivenciam e observam os reflexos. Portanto, saiba como falar sobre a crise de forma prática e até mesmo otimista.
“Na infância são desenvolvidos comportamentos levados ao longo da vida. Momentos de crise, como o que vivemos, são oportunos para educar financeiramente. Então converse de forma tranquila e estimule que tenha sonhos”, orienta Reinaldo Domingos, presidente da DSOP Educação Financeira, empresa pioneira no ramo no Brasil.
O especialista ressalta também que as crianças estão constantemente expostas a notícias, conversas entre adultos e observam a reações dos pais frente aos problemas. O diálogo é imprescindível para que compreendam a situação e não se sintam assustados ou em situação de perigo. Veja 10 orientações:
1- Os adultos devem se reunir antes, separados das crianças, para falar sobre o tema;
2- Considere esta uma oportunidade para dialogar abertamente, fortalecer os valores da família e praticar a educação financeira;
3- A intenção não deve ser assustar ou deixar as crianças preocupadas, e sim explicar o que se passa;
4- Não minta ou faça promessas que não pode cumprir, fale sobre o que está acontecendo de forma sincera e simples;
5- Esclareça que há sim problemas, mas que a família está tomando atitudes para resolver e que as coisas irão melhorar;
6- Estimule bons hábitos, como não desperdiçar água, energia elétrica e alimentos, por exemplo;
7- Se mostre aberto para falar sobre o tema e pergunte se os pequenos têm dúvidas ou medos. Lembre que são criativos e podem querer ajudar;
8- Peça para as crianças falarem ou desenharem seus sonhos, esclarecendo que elas podem sim conquistar;
9- Sugira que poupem moedas em cofrinhos de tamanhos diferentes, para sonhos de curto, médio e longo prazo;
10- Aproveite-se de recursos lúdicos, como livros de educação financeira específicos para crianças.
E aí gostou das dicas?Então, compartilhe este artigo com outros pais e chama a criançada para um papo legal!Quer receber mais dicas sobre educação,consumo consciente e economia simplificada me siga no insta @claudiacma7 e no facebook depapocomclaudinha é de graça.
Fonte:Papo de Mãe

*A DSOP Educação Financeira (http://www.dsop.com.br) é uma organização dedicada à disseminação da educação financeira no Brasil e no mundo, por meio da aplicação da Metodologia DSOP, criada pelo educador e terapeuta financeiro, Reinaldo Domingos.