segunda-feira, 8 de junho de 2015

Empreendedorismo e inclusão: Uma relação possível?

Como já citei o Brasil possui cerca de 45 milhões de pessoas que afirmam possuir algum tipo de deficiência física ou mental. Entretanto, apesar de ser um público grande o mercado ainda não os enxergou como consumidores.  “Quem vier com boas soluções para esse público, certamente ganhará dinheiro", [...] Segundo Ferrari, as empresas ainda têm dificuldade para entender as necessidades das pessoas com deficiência.[1]"
Além de cadeiras de rodas e carros adaptados as pessoas com deficiência precisam de profissionais ou empresas que prestem um serviço eficiente em um local acessível. E a empresária Glaucimare ao perceber essa carência criou o projeto Vidas em Movimento, para entender melhor o trabalho dela resolvi chamá-la para contar melhor.   

Quem é Glaucimare Santos?
Mãe, esposa, empresária e dona de uma linda cachorra Boxer,  com uma vida comum, porém com a cabeça cheia de criações e sonhos.

Uma baiana de 45 anos, cheia de vida com muita verdade e vontade de expandir cada vez mais as possibilidades de interação entre pessoas através de novas propostas e novos olhares. Sou formada pela Faculdade Senac em Consultoria em Moda e Organização e Planejamento em Eventos e Turismo.

Moro em Florianópolis há mais de 20 anos onde constitui família com um artista plástico que me apresentou a beleza da cultura regional e assim criamos a empresa Boi de Mamão Festas, atuamos com eventos e comercialização de brinquedos da cultura regional da Ilha de Santa Catarina.

Atuo também como gestora da minha empresa Glaucimare Santos Aglinskas; Produtora em Projetos, Eventos e Moda onde atendo eventos diversos, consultoria e assessoria pessoal e empresarial. Devido minhas experiências e pesquisas independentes criei através de iniciativa privada o Projeto Vidas em Movimento que fala de pessoas com e sem deficiência física onde buscamos tirar as pessoas do anonimato através de ações socioculturais.



Como e quando você descobriu que queria trabalhar com Moda?
Desde os meus 12 anos (1981) quando morei em São Paulo capital eu já tinha desejo em orientar as pessoas como se vestirem. Sempre ligada na moda acompanhava as tendências Norte Americana através dos vídeos clips, principalmente os da Madonna, ícone nesta época de um vestuário singular.

Esta vontade não passou e foi em 2007 já morando em Florianópolis e atuando no mercado de Publicidade e Marketing que descobri o curso de Consultoria de Moda pela faculdade Senac, fiquei em êxtase. Realizei o curso e aprimorei ainda mais o que eu já sabia por instinto. Realizei-me aprendendo as técnicas de consultoria de imagem que desde menina já me encantavam.

Como surgiu seu interesse em trabalhar com as pessoas com deficiência?
A consultoria de moda me levou até elas. Após atender uma cliente cadeirante em 2013 em consultoria de imagem, que percebi o quanto o mercado é precário em ofertas de produtos e serviços que expressam as reais necessidades dos deficientes físicos.

Comecei então a pesquisar todas as possibilidades para este público e me aproximei de várias instituições que já desenvolvem um trabalho de assistência e dos poucos eventos que são direcionados para este público. Nesta minha busca percebi cada detalhe e as deficiências no atendimento e na acessibilidade num todo.

Na sua opinião, como se encontra o mercado da moda inclusiva hoje no Brasil?
Na verdade o mercado de moda de roupas adaptadas não se encontra (nada); a indústria têxtil e os designers de moda são totalmente avessos às necessidades das pessoas com deficiência. Não há nenhum incentivo para fomentar este processo, por isso o mercado de varejo do vestuário desconhece as possibilidades que as roupas adaptadas podem trazer para seu estabelecimento em relação a novos consumidores e principalmente a novos produtos que atrairão o olhar e desejo daqueles que não possuem deficiência, pois irão observar os detalhes diferenciados, o conforto, a praticidade de vestir, os shapes e os novos  designers com propostas super alternativas e práticas.

O que para os deficientes são tão importantes e para o consumidor convencional serão traduzidas como peças fashion inovadoras criando novos grupos de consumidores, atendendo todos os públicos; crianças, jovens e adultos.

Fale um pouco sobre o seu Projeto Vidas em Movimento.
O Projeto Vidas em Movimento foi criado em 04 de Janeiro de 2015,   ainda é um bebê de 05 meses. Para o projeto se tornar uma criança saudável, feliz e independente dos vícios políticos que tudo contamina tem muito que ser feito. Vidas em Movimento veio agregar tudo que eu já faço, acredito e desejo desenvolver.

Por ser um projeto autoral de iniciativa privada sem ter a leitura de Associação e ONG irá se expressar através de atitudes e criações de eventos e ações inovadoras procurando sempre o bem estar de todos. Criei o projeto Vidas em Movimento pensando em tudo que se pode realizar em prol de pessoas.

O projeto não lidará com assistencialismo tem o objetivo de promover uma conversa criativa entre pessoas através de intervenções entre profissionais liberais, empresas e instituições junto ao mercado consumidor atingindo todos os públicos; crianças, jovens e adultos.

Vidas em Movimento através destes relacionamentos promove eventos de networking, promovendo a autoestima, cursos mentorias com afeto; acreditamos que o sentir e o propósito, são importantes chaves de desenvolvimento humano através de ações. Adicionamos sempre a colaboração e a inspiração com a intenção de propor e dar luz com um novo olhar para empreendedores e seus negócios.

O projeto busca realizar várias intervenções que contribui com a Economia Criativa, o Empreendedorismo, o Colaborativismo o Sociocriativo, os Novos Negócios e a Abertura de Novos Mercados.



Quais os tipos de empresas ou clientes que buscam seu trabalho?
O meu trabalho é procurado por aqueles que buscam um diferencial de mercado seja na preparação de eventos ou para uma consultoria voltada a novas estatísticas e perspectivas pessoais e/ou comerciais.

Como está a repercussão do seu Projeto neste meio comercial, artístico, fashion e cultural?
Por ser um projeto muito novo estou aprimorando seu nome e sua imagem através de ações onde busco parceiros para realizá-las. É nesta busca que tenho a oportunidade de falar sobre o projeto e a aceitação é sempre muito positiva, vejo um brilho no olhar das pessoas quando mostro as possibilidades desta mistura gerando novos movimentos através de ações simples mais muito importante para o desenvolvimento social.


Para quem está começando agora e quer trabalhar com moda, quais sugestões você pode dar?!
A moda é um universo muito vasto e complexo. Há muitas ramificações por isso o primeiro passo é a pessoa se identificar com qual ramo da moda ela se identifica mais. Assim tudo ficará mais fácil e a dedicação e o prazer serão plenos.

Como cidadã e profissional, o que você deseja conseguir com o seu trabalho?
Como cidadã busco a igualdade de todos sem julgar o que as pessoas têm e sim o que elas são. E como profissional busco realizar tudo com muito amor sem rótulos e hipocrisia, mostrando que tudo é possível realizar, basta ter boa vontade e um olhar criterioso para o todo.

Qual mensagem você deixa para os leitores do blog De Papo com Cláudinha?
Primeiro; continuem lendo o blog da Cláudinha(risos), sempre terá algo novo e interessante para ler e conhecer. E segundo; É que tudo na vida tem um por que. E é nessa busca frenética que possuímos por respostas que eu lhes digo; é só se olharem no espelho, as respostas sempre estarão ali, a sua frente.
E para os deficientes visuais escutem sempre as batidas do seu coração ele sempre irá saciar o que procura. Sejam felizes e protagonistas da sua própria história.


Para quem deseja conhecer melhor esse Projeto, basta visitar a fanpage https://www.facebook.com/vidassemmovimentos?fref=ts



E aí galera, gostaram da entrevista? Então cliquem em curtir  e depois deixem um comentário! A sua opinião e envolvimento fazem a diferença para mim!


Nenhum comentário:

Postar um comentário