domingo, 7 de agosto de 2016

Redes sociais e os amores e desamores dos pais na sociedade atual

Gente, agosto é o mês em que comemoramos o dia dos pais. Mas, vocês já pararam para  pensar a origem desse dia?O que é visto e dito nesse dia nas redes sociais? E você sabe o que é pãe? Não? Então, calma que eu explico.
Como o dia das mães, o dia dos pais surgiu com a pretensão de fortalecer os laços familiares. Essa ideia surgiu em 1909, em Washington, Estados Unidos, quando a jovem Sonora Louise Smart, ao ouvir um sermão dedicado às mães teve a ideia de celebrar o dia dos pais, ela queria homenagear seu próprio pai, um ex-combatente da Guerra Civil, chamado William Jackson Smart.
Sua esposa faleceu, em 1898, ao dar a luz ao sexto filho e ele criou um recém-nascido e seus outros cinco filhos sozinho. Quando adulta, Sonora Louise Smart, sentia-se orgulhosa de seu pai por vê-lo superar todas as dificuldades e decidiu que o primeiro dia dos pais seria comemorado no dia 19 de junho, aniversário do seu pai.
A homenagem começou em 1909, na cidade de Spokane, no estado de Washington. Segundo, o Brasil Escola esse “[...] gesto simples da moça acabou por mobilizar muitas pessoas da mesma cidade a fazer o mesmo tipo de homenagem. De Spokane, a prática alastrou-se para outros estados dos EUA.”
E no ano de 1924, o presidente Calvin Coolidge apoiou a ideia de um dia dos pais nacional e finalmente”[...] em 1966, houve uma alteração na comemoração da data em decorrência de outros fatores.Do dia 19 de junho, a comemoração passou para o terceiro domingo de junho. Em 1972, o presidente Richard Nixon declarou o terceiro domingo de junho como o dia oficial da comemoração do dia dos pais. Essa data foi adotada como modelo por vários países ocidentais.”
No Brasil a ideia de comemorar esta data partiu do publicitário Sylvio Bhering, e foi festejada pela primeira vez no dia 16 de agosto de 1953, dia de São Joaquim, mãe de Maria, pai de Jesus Cristo. “Ao contrário do que ocorreu nos EUA, essa data não foi pensada como forma de homenagem local e simples, que se alastrou depois, sem planejamento.”
Na época, Sylvio Bhering era diretor do jornal e da rádio O Globo e sua ideia de homenagear os pais tinha uma finalidade tanto social quanto comercial. A escolha do dia de São Joaquim foi em razão da população brasileira ser na época predominantemente formada por católicos e ao mesmo tempo foi uma forma de incentivar o comércio e, por consequência, o faturamento do jornal. No entanto, nos anos seguintes, essa data foi alterada para o segundo domingo de agosto ficando diferente da americana.   

Mas, qual o papel do pai na sociedade contemporânea? E como eles são vistos e ditos por essa mesma sociedade? Para a historiadora e jornalista Márcia Pinna Raspanti, “[...] os papéis e funções de pais e mães tornaram-se intercambiáveis. Hoje, salvo lavar fraldas, pais fazem tudo o que fazem as mães. O afeto substituiu a autoridade. Mudanças no casamento e na própria família forçaram muitos a assumir a paternidade social de filhos de outros homens ou a tornar-se “pães”: um misto de pai e mãe, na falta desta.Novos laços nascidos, muitas vezes, do sofrimento e do amor, elaboram-se nessas circunstâncias.Aí, pai não é só aquele que se percebe como tal, mas também, aquele que os outros percebem como tal”.
Nesse sentido, o dia dos pais é um dia marcado pela alegria para algumas pessoas e de tristeza e mágoa para outros.Conforme destacou Cidinha da Silva, aqueles “[...] que têm um paizão da hora, sorridente, benfazejo, vivo ou já ido, mas que constitui uma boa memória, debutam no palco das redes sociais, ora com declarações de amor, gratidão e ostentação, ora com fotografias novas e coloridas, também as envelhecidas, em preto e branco, registro de saudade.Os próprios pais se fotografam e se auto-expõem, orgulhosos de si no dia a eles dedicado.Ponto para a alegria.
Aqueles que por algum motivo não tem pai para ostentar ou mesmo nunca tiveram um para experimentar a presença de homem adulto protetor que lhes ajudasse a constituir a coluna vertebral, encolhem-se feito caramujos tristes.[...]Também os que tiveram ou têm pais canalhas são tomados pela tristeza, ora disfarçada pela acidez, outras tantas pela revolta.”

Também os pais solteiros estão ganhando visibilidade e dizibilidade nas redes sociais. Ou seja, são homens que ficaram viúvos ou que se separaram a exemplo, do professor de geografia, que criou o blog Sou Pai Solteiro com a pretensão de compartilhar suas experiências com outros pais.Ele ao se separar não tinha muita ideia dos seus direitos como pai e passou a estudar sobre o assunto.Assim, o blog acabou dando origem a outros canais como Youtube, Facebook, Instagram, Twitter e Snapchat.  
Lizandro em entrevista, ao Jornal Estadão, destacou que “‘a mãe solteira é vista de maneira negativa, o homem não passa por isso, mas a gente passa por incredulidade social’, [...] Ele já ouviu perguntas como:você faz tudo?, lava roupa?.’As pessoas não acreditam’. Para o professor, os bons pais pagam um preço por causa dos pais negligentes. Muitos pais não querem saber do filho, o abandona, mas vejo também pais lutando na justiça, ouvindo da própria família que não é capaz [...]”
No tocante, aos pais que abandonam seus filhos é importante destacar que a ausência deles afeta profundamente a vida das crianças. Um outro fato que chama a atenção é que muitos homens acabam abandonando as mães de crianças que nascem com deficiência e esse fato ganhou uma maior visibilidade no último ano com os casos de crianças nascidas com microcefalia.    
Daí o artigo Homens abandonam mães de bebês com microcefalia em PE trouxe alguns relatos de mães abandonadas a exemplo, de Carla Silva. Ela “após dois anos de namoro e nove de casamento [...] foi abandonada pelo pai dos seus três filhos quando ainda estava internada na maternidade. O motivo, conta, era a condição da caçula, Nivea Heloise, que nasceu com menos de 28 centímetros de perímetro encefálico.’Ele me culpou por ela nascer assim.Disse que a menina era doente porque eu era uma pessoa ruim.’”
Fico aqui me questionando o que passa na cabeça desse homem?Fraqueza? Covardia? Desonra? Falta de altruísmo? Ou falta de conhecimento? Uma coisa é fato o que não foi e nunca será é amor de pai.
Nesse sentido, espaços como o blog Sou Pai Solteiro acabam beneficiando a sociedade pois, ao compartilhar suas experiências esses homens acabam deixando algumas lições como por exemplo, de que pai verdadeiro é aquele que está sempre presente, que pode até ter acabado seu relacionamento com a mãe, mas ele nunca deixará de lado a emoção de conviver com um filho seja ele como for.
E aí gostou do post? Conhece algum(a) pãe?Ou o filho de um pai solteiro?O que você pensa sobre os pais que abandonam os filhos?Conta pra gente!
Ah, e para continuarmos o bate papo, é só me seguir nas redes sociais: Facebook// Instagram//Twitter

Nenhum comentário:

Postar um comentário