sexta-feira, 28 de outubro de 2016

LBI, acessibilidade e o novo prefeito de Caicó


Hoje eu vim aqui falar sobre duas coisas: a)Sobre a logística que, normalmente, as pessoas que usam cadeira de rodas, muletas e bengalas criam para ir a qualquer lugar fora da rotina; b) Calçadas agora são de responsabilidade do Poder Público. E o motivo para eu estar aqui escrevendo é que no dia 14/10/2016, o caicoense José Mario escreveu, em seu blog, o texto Relato de um cadeirante inconformado com as barreiras físicas das calçadas de Caicó.


Ele aos oito meses de nascido foi acometido pelo vírus da poliomielite (paralisia infantil) e hoje faz uso da cadeira de rodas para se locomover.E no seu texto, ele relata que teve que ir a uma loja e se deparou  com um parquinho para as crianças brincarem ocupando a calçada e obstruindo a rampa de acesso.

Para quem não sabe antes de botar as rodas, as muletas ou a bengala fora de casa precisamos examinar tudo com antecedência: se existem rampas de acesso, se as calçadas podem ou não colocar nossas vidas em risco, se existe onde parar o carro, se há banheiro adaptado.Daí depois de toda essa análise, eu mesma já tive que solicitar inúmeras vezes a ajuda de meus pais, da minha irmã e de meus amigos transformando, dessa forma, minha autonomia em artigo de luxo.

Mas, voltando ao caso de José Mario ele ainda relatou que para chegar à loja teve que fazer um desvio.E saiu falando para todos ouvirem: “Em Caicó tudo pode!!!!CADÊ A FISCALIZAÇÃO DOS ÓRGÃOS COMPETENTES DESSA CIDADE?CADÊ AS ASSOCIAÇÕES DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA?”
Também no texto Falta de respeito em Caicó com pessoas com deficiência e mobilidade reduzida! , de 12/07/2016, ele denuncia que “Diversas  lojas  usam as rampas de acesso como expositores de produtos.Há situações que até  carro estacionado sobre a calçada tem dificultado a passagem dos transeuntes.Isso tem feito com que as pessoas com deficiência e mobilidade reduzida sejam impedidas de andar tranquilamente”.
Fico aqui martelando o que será que passa na cabeça desses lojistas hein, pessoal? Já em relação ao motorista será que ele ou ela não vê? Até onde eu sei, pessoas cegas não podem ser motoristas.Então, o que leva essas pessoas a fazerem isso? Na minha opinião, eles pensam:“Quem é que vai precisar utilizar essa rampa? Cadeirante não sai mesmo à rua. E a rampa é excelente para expor os produtos”.
Já no que diz respeito, ao uso das calçadas o fato do proprietário do imóvel “cuidar” da própria calçada é problemático, pois cada um constrói da forma que deseja. Todavia, a nova Lei Brasileira de Inclusão determina que a reforma de todas as calçadas passa a ser responsabilidade do Poder Público, que deverá transformar todas as rotas em  acessíveis.Nesse sentido, no vídeo abaixo, a Deputada Mara Gabrilli explica melhor essa questão.
Então, é isso gente,um dos desafios do novo prefeito de Caicó será esse. Mas,  eu acho, que antes é preciso dar um voto de confiança a ele,sempre acompanhando seus atos, exigindo ações e até se manifestando por possíveis descasos.E você o que acha disso tudo? Deixe sua opinião e não esqueçam de me acompanhar no Facebook// Instagram// Twitter .

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Como mulheres com limitações nas mãos hidratam o cabelo?


Oi, gente!

Como eu já falei aqui eu venho usando muito secador e escova alisadora, daí meu cabelo tem ficado muito ressecado, com pontas duplas, opacos, além de super difícil de pentear.

Foi então que resolvi testar a Linha Salon Opus Treatment SOS Bomba e contar tudo para vocês sem esquecer de falar se os produtos são fáceis ou não para pessoas que têm problemas com motricidade usá-los de forma autônoma.
O que promete a Linha Salon Opus Treatment SOS Bomba?
A Linha Salon Opus Treatment SOS Bomba é a solução para cabelos fragilizados, com pontas duplas, opacos, que quebram com facilidade e por isto não crescem bonitos e brilhantes. A combinação de Vitamina A, Pantenol e Aminoácidos Essenciais restaura os fios, fortalecendo e reparando os danos causados aos seus cabelos, auxiliando no crescimento saudável.
Vamos conferir?!RISO.gif

Usei assim:
Eu lavei o cabelo com o shampoo, retirei o excesso de água com as mãos e apliquei a máscara no banho mesmo. Como tenho a raiz oleosa passei da orelha pra baixo e deixei agindo por alguns minutos como recomenda o fabricante (entre 1 e 3 minutos). Depois de enxaguar, apliquei o condicionador rapidamente e enxaguei de novo.
O que eu achei: a linha é muito cheirosa, deixa o cabelo brilhoso e diminui o frizz.
O shampoo é cremoso, levemente translúcido, limpa bem e apesar de possuir sulfato não desbota, nem agride o cabelo. A embalagem é bonita, a tampa trava bem, não causa desperdício e é de fácil uso para pessoas com pouca “destreza” nas mãos. Já falei sobre a relação de motricidade fina, dos sabonetes e as pessoas com deficiência aqui.
Partindo para a máscara ela tem um cheiro bom, uma consistência super firme, deixa o cabelo macio e hidratado, além de ficar muito mais fácil de pentear e por isso o resultado fica bacana!! Eu costumo usá-la uma vez por semana. E na minha opinião, ela só não leva nota 10, pois é pesada, difícil  para pessoas que têm problemas com motricidade fina, segurar e  abrir a embalagem.Inclusive eu preciso pedir ajuda a minha mãe para abri-la.
E por fim, o condicionador a textura dele é bem consistente.Hidrata, desembaraça e diminui bastante o frizz.E não tive dificuldade com a embalagem.

Então,apesar desse problema da embalagem da máscara estou gostando da Linha Salon Opus Treatment SOS Bomba da Opus Cosméticos  e agora vou lá cuidar de mim! Mas, não esqueçam de me acompanhar no Facebook// Instagran//Twitter


segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Maternidade atípica e deficiência serão temas de debate online

Jornalista e mãe de criança com paralisia cerebral e síndrome de West, Mariana Rosa é autora do blog Diário da Mãe da Alice, e participará da conversa que acontecerá no site do projeto Diversidade na Rua da Mercur
Mariana Rosa tem 39 anos, é jornalista e mãe da Alice que nasceu com 29 semanas, 900gr e 31 cm. Em função de sua prematuridade extrema, permaneceu 145 dias, os primeiros de sua vida, na UTI neonatal. Hoje, aos três anos, a luta não é mais por sua sobrevivência, mas pela qualidade de vida: Alice tem disfunção neuromotora (paralisia cerebral) e síndrome de West.
A maternidade atípica reorganizou prioridades na vida de Mariana e com isso, fundou propósitos antes inimagináveis. Mariana criou uma rede e por meio do blog Diário da Mãe da Alice, compartilha descobertas e aprendizados em torno da maternidade. Hoje, seu maior desejo é provocar reflexões e atitudes que contribuam para uma sociedade que respeite e valorize as diferenças.
A valorização da diversidade para a vida em sociedade também é um valor para a Mercur. Por isso, na próxima terça-feira, dia 18 de outubro, às 19h30, o site do projeto Diversidade na Rua (www.diversidadenarua.cc) da empresa Mercur realizará um Debate Aberto ao público sobre maternidade atípica e deficiência.
“Acredito que conversando sobre nossas diferenças, podemos reconhecê-las. E só porque as reconhecemos é que podemos valorizá-las. É isso o que me move hoje, como mãe da Alice. A busca por um diálogo permanente em torno da diversidade e seu valor para uma vida em sociedade rica em significados”, afirma Mariana.
Por ser aberto ao público, qualquer pessoa que tenha interesse no tema pode participar do Debate Aberto acessando o site (http://www.diversidadenarua.cc/debate). O formato é como o de um fórum: as questões são lançadas pelos participantes e todas as respostas podem ser replicadas. Para interagir é preciso fazer um cadastro rápido e simples.

SERVIÇO
Debate aberto Diversidade na Rua
Tema: Maternidade Atípica e deficiência
Data: 18 de outubro 2016
Horário: 19h30min
Para participar acesse: http://www.diversidadenarua.cc/debate
Sobre Mariana: Mariana Rosa, 39 anos, é jornalista e se tornou mãe da Alice em 2013. Os primeiros meses de vida da filha foram especialmente desafiadores para Mariana, que encontrou na escrita uma das formas de elaborar o sofrimento e a angústia em torno da batalha pela sobrevivência de sua pequena. Vencido o sobressalto, os escritos ganharam espaço em um blog, o Diário da Mãe da Alice, que possibilitou à jornalista conhecer e se conectar com inúmeras outras famílias Brasil afora. Formou-se uma rede de partilha, de amparo, de empatia e de solidariedade. Agora, os relatos de Mariana se tornarão um livro, a ser publicado no final de novembro, com o objetivo de promover a causa da diversidade e da inclusão.

Sobre a Mercur:
A Mercur é uma empresa brasileira, fundada em 1924 na cidade de Santa Cruz do Sul (RS) e começou sua trajetória com produtos derivados da borracha. Com o passar dos anos e o repensar constante das suas atividades, a empresa entende que tudo que é produzido para atender as necessidades humanas tem um impacto no ambiente, indivíduos e na sociedade.
A Mercur assume publicamente o compromisso de participar com pessoas e organizações na criação de soluções sustentáveis. Nessa caminhada, a empresa tem descoberto novas maneiras de construir soluções com as pessoas, a partir das necessidades delas.  Atualmente, a empresa conta com cerca de 700 colaboradores com um portfólio de produtos voltados aos segmentos de educação, saúde, como: borrachas de apagar, bolsas térmicas, muletas e produtos voltados a pessoa com deficiência. A companhia também atua na área industrial com soluções customizadas, disponibilizando lençóis de borracha e peças técnicas, bem como pisos especiais e revestimentos.

Mercur na Web:
Site da Mercur: www.mercur.com.br
Mercur no Facebook: Mercur Oficial
Mercur no Twitter: @mercuroficial
Mercur no Youtube: Mercur S/A
Nas redes sociais, utilize a hashtag: #bompratodomundo

Informações para a Imprensa:
Luiz Valloto, Janaina Leme, Tatiane Dantas, Vânia Gracio e Melissa Sayon
Fone: (11) 5091-7838
mercur@singcomunica.com.br

E aí, quem vai participar? E não esqueçam de me acompanhar no Facebook// Instagram// Twitter para saber das novidades, que estão vindo por aí.

sábado, 15 de outubro de 2016

“Não me sequestre, sou professor!”


Eu nunca esqueci das professoras Branquinha e Jacinta me ensinando as primeiras letras, na alfabetização. Já tia Terezinha,na 1ª série, me apresentou os ditados de palavras.A  tia Luzia, na 2ª série, as quatro operações. Um  ano depois foi a vez da tia Sueny me falar sobre fotossíntese. E na 4ª série vieram tia Marcilene e tia Vânia, foi com a primeira  que aprendi que o Brasil é dividido em regiões e com a segunda  aprendi que nosso corpo é formado por músculos, órgãos e ossos.
Também me lembro que eu pensava que todo professor morava numa casa muito bonita, igual aquelas de novela, e que eles tinham um escritório com uma mesa muito bonita, uma cadeira super confortável e uma estante com livros todos arrumadinhos na qual eles ficavam ali lendo.Ainda lembro que eu ficava tentando imaginar como era o passeio que os professores da Escola que eu estudava fazia todos os anos no dia do Professor. O que eles faziam e conversavam nesses passeios? Para onde iam?Será que levavam livros para ler?
Anos depois, quando eu já estava no Ensino Médio eu conheci a casa do meu professor de geografia. Era uma casa simples na qual tinha um quarto repleto de livros meio bagunçados, umas 1000 provas a serem corrigidas, um birô antigo e um quadro de escrever. Já na cozinha tinha panelas de barro, carambolas colhidas do pé que ele mesmo tinha plantado no muro e lá entre o jardim e a garagem havia um banco de madeira e muitos vasos com plantas que faziam com que tivéssemos a impressão que a temperatura naquela casa era mais branda.Sua vida era uma correria pois, dava aulas em escolas da rede pública e privada, chegava em casa bem tarde da noite e usava uma camiseta com os dizeres: “Não me sequestre, sou professor!”
Mas, o porquê dessa camiseta? Está aí um bom tema de redação para o ENEM, né?!O uso dos porquês foi assunto das aulas das professoras Edilva e Miramar.Elas foram minhas professoras de língua portuguesa e de redação e umas queridas, pois além de me inspirar também me ensinaram que a crase não é um acento, mas, sim, um encontro entre o artigo e a preposição.
Já aos meus professores de Química, Física, Biologia e Matemática apesar de eu detestar todas aquelas fórmulas e a enigmática razão do teorema de Pitágoras aspirei de vocês maneiras de perceber ocasiões difíceis da vida e maneiras de fazer a minha realidade melhor.
Em Literatura não fui uma ótima aluna, mas a professora Ana Aline fez com que eu me apaixonasse pela vida e obra de autores como Machado de Assis, Aluísio de Azevedo, Raquel de Queiroz, Ariano Suassuna etc. Na faculdade tive ótimos professores e colegas que me ajudaram a contornar as barreiras físicas encontradas na universidade.Também não posso esquecer de mencionar a paciente Bibliotecária Onilda que além de me ajudar a driblar as precárias condições de acessibilidade da biblioteca também sempre me dizia “tenha fé em Deus e acredite que vai dar tudo certo”
Sei que hoje estou muito  nostálgica mas, amanhã é o Dia dos Professores e para todas essas pessoas  que escolheram ensinar as Letras, os números, a despertar o prazer do conhecimento, do saber pensar, do saber fazer todo o meu respeito e admiração. Eles são verdadeiros artistas que nos ensinam a viver, a ter responsabilidade, a trabalhar em equipe e a abrir novos horizontes.Mas, por que hoje o professor é praticamente uma figura esquecida?E o que falar das imagens e ideias que pairam sobre o professor, na mídia, nas redes sociais e inclusive de pessoas muito influentes como a Youtuber Kéfera.
Ela fez um vídeo chamado “Respondendo o professor”, no qual ela fala sobre os professores, da profissão dos professores e o que um aluno gostaria de dizer ao professor. Assim, ao longo do vídeo ela xinga o professor de velho, feio, pançudo. Já num outro momento quando o professor fala para a mãe que  as notas da filha estão baixas, a própria mãe retira um revólver da bolsa e entrega a Kéfera e diz que ela faça o que deve fazer. Em nenhum momento ela se dirige ao professor de forma respeitável, nem explica ao final do vídeo que aquilo é uma brincadeira.
Apesar de eu saber que esse canal é de entretenimento e que ela fez uma caricatura. Eu achei o vídeo inconveniente e descabido pois, ela é seguida por 9.604.745 pessoas e esse vídeo teve 7.944.281 visualizações e 348.858 pessoas sinalizaram que gostaram contra 11.226 que não gostaram. Ainda é importante mencionar que muitos adolescentes viram esse vídeo e inclusive alguns deles fizeram comentários preocupantes.
Ou seja, a partir desse vídeo foram formadas milhões de opiniões e a crítica aqui não é ao trabalho da Youtuber, mas sim tentar chamar a atenção para o fato que, provavelmente, ela fez o vídeo indo ao encontro daquilo que Mary del Priore destaca como “[...] representações que pairam sobre o professor, na mídia: figura menor e sem interesse. É lamentável que a desestruturação das redes horizontais de solidariedade, que caracterizavam nossa sociedade, tenham levado de roldão a figura do professor. Abandonado a própria sorte, com salários defasados, sem estímulo ou respeito por parte da sociedade, o professor tem que remar contra muitas dificuldades para fazer valer e reconhecer sua posição. Sempre me pareceu um paradoxo o fato de colocarmos três milhões de pessoas na rua, para assistir a Parada Gay, e não conseguirmos mobilizar, o mesmo número em prol da educação.”
Enfim, o nosso objetivo aqui é levar as pessoas a entenderem que atitudes como essas incitam a violência, desrespeitam os professores e podem influenciar nas atitudes dos alunos. Na verdade, precisamos sempre lembrar que são os professores que formam as gerações futuras do nosso país. E que os professores precisam ser respeitados e valorizados,ou seja, eles precisam de salários dignos, alunos disciplinados, de uma escola que ofereça boas condições de trabalho, com salas de aula confortáveis e material didático. Elementos que fazem parte  da educação e que contribuirão na formação das futuras gerações desse país.
E aí, que professores marcaram sua vida? Alguém  aqui pretende ser professor(a)? E como será a vida  de uma professora que também é mãe? Quais são as dificuldades enfrentadas pelos professores com deficiência em suas atividades laborais? E que tal os professores com deficiência e sem deficiência deixarem, lá nas minhas redes sociais  Facebook// Instagram// Twitter,  suas opiniões e percepções sobre a política de inclusão nas escolas?

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Dicas de presentes criativos para surpreender e estimular as crianças


No dia 17/10/2015, nasceu minha sobrinha Fernanda. E eu agora sei o quanto é bom ser titia. É um amor que é praticamente impossível de ser explicado. A danadinha me chama de “babá”, joga todos os brinquedos no chão, não aceita ser contrariada e mesmo assim eu faço todas as vontades delas. Mas, tem como não resistir a tanta fofura?!
Aprendendo cedo a lavar suas próprias roupas

E como estamos na semana que antecede o dia das crianças comecei a pesquisar algo para dar de presente a ela. E comecei a perceber que comprar presente para crianças é coisa sério.De acordo com a Terapeuta Ocupacional Ana Leite “[...] o brinquedo é uma ferramenta que auxilia no desenvolvimento das capacidades, além de ser um objeto de diversão, claro!Ou seja,[...] existem brinquedos apropriados, de acordo com a faixa etária da criança, existem também brinquedos apropriados para o perfil funcional das mesmas, ou seja, as habilidades que ela já possui e as outras que ela precisa desenvolver.”

Mas, além de sugestões de brinquedos que trabalham com a coordenação motora, auxiliam no processo de alfabetização e estimulam o raciocínio lógico eu resolvi também trazer algumas ideias de presentes criativos para surpreender e estimular as crianças.

1- Assinatura de Revista

Qual a criança que não vai gostar de receber o ano inteiro revistas da Turma da Mônica? Pode ser as revistas em quadrinhas ou alguma revista de alguma área que a criança está interessada como revista de música, de esporte etc.

2- Ingressos para Parques de Diversão, Circos ou Teatro
E aí, que tal levar a criançada para um parque aquático? Se na sua cidade não tem parque aquático você pode optar por levá-la a um parque de diversão, a um circo ou assistir uma peça de teatro infantil.
3-Brinquedos Educativos e/ou Terapêutico
Esses brinquedos trabalham a coordenação motora ampla de crianças entre 1 e 2 anos. Além de também poderem ser utilizados no processo de Reabilitação de crianças com deficiência.A marca Melissa & Doug tem uma seleção de itens considerados “top”, os puzzles de encaixe em madeira! Presentes especiais, indicados para crianças a partir de 18 meses.
Para Ana Leite essa marca possui quebra-cabeças que são “[...] uma ótima opção pela variedade de quebra-cabeças, que ilustra que esse tipo de jogo é muito mais que peças de formas diferentes que se encaixam. Eles têm desde aqueles quebra-cabeça com pinos, que vocês veem nas figuras acima com tema de animais, até os 3D, onde cada peça é um cubo, e cada face do cubo tem uma imagem que faz parte de um quebra-cabeça diferente [...] Outro exemplo também de quebra-cabeça (que não deixam de ser 3D) são aqueles cujas peças são figuras geométricas que formam um objeto (no caso dos brinquedos ilustrados, um trem – também da marca Melissa & Doug). Alguns dos quebra-cabeça da marca até emitem som quando são corretamente encaixados, esses são os chamados “Sound Puzzle” e trazem figuras de animais e de instrumentos musicais.
Abaixo tem um vídeo com um quebra-cabeça (tb da mesma marca) que é uma Pizza".
Já para as crianças com deficiência visual uma ótima dica é o alfabeto em Braille de A a Z. De acordo com Ana Leite, “cada peça deste jogo de madeira tem um símbolo Braille que representa as letras do alfabeto. Em uma face da peça está a letra em maiúsculo e na outra em minúsculo. Ideal para crianças que estão aprendendo as letras em Braille”.

4- Brinquedos Esportivos
Para estimular a meninada a praticar esportes, a ensinar como se divertir praticando atividades físicas uma sugestão é presenteá-los com bicicletas, patins, skates, patinetes, bolas.
Lojas Americanas

5- Mochila de Viagem e Toca Infantil

Assim, nas férias uma das brincadeiras que mais vai rolar é armar uma barraca na sala ou no terraço da casa dos avós, dos primos etc.Além disso você também pode colocar dentro da mochila um lençolzinho e uma necessarie com pente, escova de dente e creme dental.





6-Kit Arte
Com cola, giz de cera, tinta, tesouras sem ponta, pincéis, tela limpa, coleção, lápis de cor, canetinhas coloridas para as crianças e papéis em branco eles poderão soltar a imaginação.


7-Livros
Leia para seus filhos pois, segundo artigo do jornalista Jairo Marques "[...] bebês que recebem o estímulo de escutar histórias podem se tornar adultos mais articulados, desenvoltos e inteligentes. Bebês que nascem com deficiência também podem obter benefícios: com este incentivo, o cérebro pode criar novas conexões para suprir habilidades perdidas.” E se seus filhos já souberem ler encontre livros legais, divertidos, de temas que ele goste.
E aí já sabe o que vai comprar nesse dia das crianças? Tem alguma dica legal? Conta pra gente.E vou deixar umas fotos e uns vídeos de minha sobrinha para vocês a conhecerem melhor lá nas  redes sociais Facebook// Instagram// Twitter.

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

No dia do nordestino, descubra quem inventou o Nordeste!

Gente, dia 8 de outubro é o dia do Nordestino. E o que vem à sua cabeça quando você ouve a palavra Nordeste? E você que mora nas regiões Sudeste, Sul, Centro-Oeste e Norte já veio ao Nordeste e encontrou algum jagunço armado, algum coronel autoritário ou alguma família na estrada fugindo da seca? Então, por que os filmes e novelas ainda apresentam esses personagens?E por que os nordestinos que moram em cidades como o Rio de Janeiro são ainda chamados de “Paraíbas”?
E você que é nordestino ou nordestina, como eu, ao chegar em outro estado fora do Nordeste já ouviu frases do tipo “Você nem parece que é do Nordeste!”? E você sabe quem inventou o Nordeste? Essa região pode um dia desaparecer? Essas e outras questões são debatidas pelo professor Durval Muniz de Albuquerque Jr.

E agora que você já sabe quem inventou o Nordeste, te desafio a deixar lá nas minhas redes sociais Facebook// Instagram// Twitter  uma homenagem aos nordestinos. Para isso, você pode deixar uma frase ou uma foto que caracteriza a fauna, a flora, a culinária e os festejos dessa região e não esqueça de colocar a #blogueiranordestina

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

“Um por todos e todos por um! Pela ética e cidadania”

Gente, como sei que esse blog é visitado por alguns professores, pedagogos e diretores resolvi vim compartilhar com vocês a experiência da minha escola que está participando do 8º Concurso de Desenho e Redação da Controladoria-Geral da União (CGU), na categoria desenho para estudantes do 1º ao 5º Ano do Ensino Fundamental.
Conforme o Portalzinho da CGU nessa 8ª edição do Concurso de Desenho e Redação, o tema é “Um por todos e todos por um! Pela ética e cidadania” e tem como objetivo despertar o interesse dos estudantes do  Ensino Fundamental, Ensino Médio e Educação de Jovens e Adultos, das escolas públicas e privadas de todo o País, por temas relacionados a controle social, ética e cidadania.  
Mas, por qual motivo a Turma da Mônica aparece toda junta e misturada nesse post? O Maurício de Sousa voltou a estudar e vai participar do concurso e concorrer com os estudantes? Calma, que o próprio Maurício de Sousa vai explicar tudinho para vocês, no vídeo abaixo:
Entenderam, né? A CGU tem como parceira o Instituto Mauricio de Sousa que aborda assuntos relacionados ao desenvolvimento da autoestima, valorização das diferenças, organização do Estado, democracia, cidadania e participação social.
Então, tudo começou com as professoras discutindo o tema em sala de aula e logo depois a criançada resolveu não economizar na imaginação, nem nos lápis de cor. Foi cada desenho mais bonito que o outro e alguns chamaram nossa atenção, como esses aí.
É impossível perceber que a meninada retratou nos desenhos que ficaram encantados com a autoestima dos atletas que participaram dos Jogos Paraolímpicos.Também podemos notar que eles representaram por meio dos desenhos que aprenderam ao assistirem os Jogos Paraolímpicos que devemos respeitar as diferenças.
Já nesses outros dois desenhos acima é perceptível que os alunos representaram que o cidadão tem direito à educação, saúde, lazer etc.Mas, ao mesmo tempo o cidadão tem deveres a serem cumpridos como, por exemplo, respeitar o trânsito, votar, cuidar do meio ambiente, jogar lixo no lixo e ser solidário com o próximo.
Portanto, mães, pais, professores, diretores incentivem seus fillhos e alunos a participarem do Concurso de Desenho e Redação. Eles além de aprenderem os significados das palavras ética e cidadania ainda poderão ganhar os prêmios  abaixo:
Então, gente se você quer mais informações sobre o Concurso de Desenho e Redação  clique aqui.E não esqueçam de me acompanhar no Facebook// Instagram// Twitter .