quarta-feira, 27 de junho de 2018

Pais que deixam de impor limites e educar

Por Mira Wajntal*, psicanalista 

Quem decide em casa? 
Pizza de Domingo 
Papai decidiu comprar um pizza para o jantar. Claro! Ele já saboreava sua tradicional e adorada calabresa… faz tempo que não comia uma, pensou… Mamãe logo concordou! Aposto que já pensava na sua de abobrinha… eis que André, 4 anos, declarou: “quero pissa de queso”. Pais se entreolharam um pouco desolados: 
“Bom, pedimos 1/2 de abobrinha e 1/2 mozzarella para André. Na próxima eu escolho a nossa metade, tá bom querida?”, papai vem a conciliar. 
Mamãe remenda: “E a Joana?”, filha de 2 anos do casal. 
“Para ela, mozzarella está bom”, papai afirma resoluto. 
“Será?” Mamãe duvida. 
  
Como você, leitor do Papo de Mãe, acha que deve acabar esta história? 
O que faria no lugar destes pais? 
  
Hoje, cada vez mais, vemos os filhos serem aqueles que decidem tudo em casa. Parece que nós, pais, deixamos de dizer o que pode ou não pode, de resolver como será uma mera pizza de domingo. 
A família que, tradicionalmente, deveria ser a transmissora da cultura, portanto balizadora das normas de conduta, ultimamente, vem deixando de exercer estas funções. E a educação dos nossos pequenos, cada vez mais vem sendo delegada a cuidadores profissionais ou a instituições de educação, uma vez que os pais necessitam se afastar para trabalhar por longos períodos, restando-lhes pouco tempo para se dedicarem ao convívio com os filhos. 
Quando presentes, os pais não têm vontade de dar limites ou ocupar o espaço de educadores, pois sentem-se culpados devido ao seu longo período de ausência, querendo compensar os filhos como sendo muito prazeroso os poucos momentos que podem desfrutar juntos. 
Infelizmente a ideia de uma boa convivência é associada a momentos sem regras ou limites. Um momento legal seria aquele em que pode tudo! Que se pode desfrutar de tudo! As crianças vêm sendo ensinadas por nós que tudo podem, e nós adultos lhes devemos um mundo de alegrias e prazeres. 
Isto acontece pelo fato dos pais temerem ser considerados pelos filhos como “pais ruins” quando além da ausência, têm que impor regras e limites. Mas não esqueçam que serão justamente estas regras e limites que farão com que os filhos cresçam seguros, não vivendo qualquer frustração como uma catástrofe irreversível. 
As regras e os limites, quando bem administrados, não gerarão crianças mimadas e birrentas, revindicando que o mundo gire só em torna delas. É claro que um choro sempre tem um valor de comunicação e também não pode ser só compreendido como resultado de um mal comportamento ou birra, mas não podemos perder de vista que limites e novos desafios são importantes para a conquista da autonomia e maturidade da criança. Desta forma, quando crescerem vão poder agir como adultos. Devemos nos perguntar, seriamente se não estamos transmitindo um ideal de mundo em que tudo e todos lhes devem muita alegria e satisfações, tudo é de seu direito, todos devem lhe servir. 
Portanto, pais, não deixem de dar estes contornos tão necessários para o desenvolvimento dos seus filhos. Diversão e brincadeira são muito importantes! Mas não é só isto! Ser pai e mãe é dar contorno e valores que só são transmitidos através de atitudes coerentes e consistentes. Dar rotina, regras e limites é nossa função! 

*Mira Wajntal é Psicanalista, mestre em Psicologia Clínica pela PUC-SP. Membro do departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae. Autora do livro “Uma Clínica para a Construção do Corpo”, Via Lettera, SP, 2004. Organizadora “Clínica com crianças: enlaces e desenlaces, Casa do psicólogo, SP, 2008. 
Fonte: Papo de Mãe 

Este artigo fez sentido para você? Então lembre-se de curtir e compartilhar o conhecimento em suas redes sociais! 

 

sábado, 23 de junho de 2018

Dicas para evitar gastos descabidos com roupas

Você trabalha numa empresa 5 dias por semana, 8 horas por dia. Tira os sábados e domingos para ficar em casa, ir ao cinema, visitar um parente, sei lá, e de vez em quando vai a uma festa, daquelas bem boas.
 eu te pergunto: Você já ouviu falar na mecânica da matemática financeira da moda? Você sabe o custo-benefício das roupas que você compra? Não?!  Calma, se te serve de alívio muita gente também não sabe. Daí quando chega a fatura do cartão de crédito, fica dizendo: “Vou me jogar no mar/ Quero desaparecer!” Para pessoas assim devemos dizer: “Amiga, não vai adiantar de nada se jogar no mar! Iemanjá não paga a fatura do cartão de ninguém.” 
Sabendo disso a loja Vitrine Outlet me convidou para eu falar um pouco de como economizar dinheiro nas compras. Para isso, confira abaixo algumas dicas: 

1) Faça um detox no seu guarda-roupa: arrume seu guarda-roupa, separando peças que você não utiliza mais, que podem ser doados ou vendidos para alguns bazares, gerando uma graninha para a substituição de algumas peças. 
2)pesquise preços e fuja das compras por impulso. 
3)aproveite promoções e liquidações: monte uma reserva pra comprar roupas, por exemplo, todos os meses guarde R$ 50,00 e espere as promoções e liquidações nas quais sempre se pode achar ótimas oportunidades de preço. 
4)Opte por peças-chave: No momento das compras, pense na usabilidade das peças. Você pode escolher, por exemplo, por calças ou saias em tons neutros que poderão se adaptar com diferentes cores de camisas ou casacos do seu guarda-roupa.
5)Sabe aquele dia que acordamos e não sabemos o que vestir ou quando queremos causar uma boa impressão no primeiro encontro? A dica é tirar do armário o vestido! Ele é uma peça fácil, básica e elegante capaz de jogar a auto estima de toda mulher lá pra cima! Uma outra vantagem dessa peça é a possibilidade de utilizá-la com os mais diferentes tipos de sapato. Dá para utilizar com sapatilha, bota, sandália, scarpin, enfim, tudo cai bem.E não costuma sair de moda e pode te acompanhar por anos e temporadas diferentes.  
6)Cuidado com a qualidade: menos é mais! Gastar muito dinheiro com várias peças baratas, entretanto descartáveis é furada. Não se apegue às grifes, escolha roupas mais duráveis e versáteis. 
7)Utilize o cartão de crédito de modo inteligente: Procure utilizar seu cartão de crédito de modo responsável, respeitando seu limite e, especialmente, seu orçamento. Se for parcelar use o recurso com prudência, lembrando que irá afetar sua renda por alguns meses. 
Curtiu nossas dicas sobre como economizar sem medo de errar e se arrepender? Conhece mais alguma dica interessante para ajudar quem pretende comprar roupas sem gastar rios de dinheiro? Compartilhe conosco e não esqueça de nos acompanhar nas redes sociais.  
Fanpage - CLIQUE AQUI       
Instagram - CLIQUE AQUI       
Twitter - CLIQUE AQUI