quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

A solução para a reforma da previdência! 5 Dicas para ter uma aposentadoria tranquila

Quando você se aposentar onde você quer estar?  
A) Debaixo da ponte; 
B) Sendo sustentado pelos parentes; 
C) Na sua casa bem confortável aproveitando todos os anos aquela viagem, bem bacana, com a turma da Melhor Idade. 
Se você escolheu a última alternativa, esse post foi feito para você.Mas, por que eu devo ler esse post? Porque é o seu futuro que está em jogo…Simples, assim! Como faço parte do grupo das Pessoas com Deficiência vejo em muitos grupos no Facebook, Whatzapp o povo falando em Aposentadoria por Tempo de Contribuição, por Idade, por Invalidez, nas incansáveis idas e vindas ao INSS e sem falar que ainda ouviremos muito falar da reforma da previdência no governo do Jair Bolsonaro, afinal é uma das metas do futuro Ministro Paulo Guedes. 
  
Eu sei que o assunto é chato, mas ruim mesmo é chegar lá na Melhor Idade e descobri que o sistema do INSS foi pras cucuias.Mas afinal o que podemos fazer para nos aposentarmos com tranquilidade, sem depender de previdência social?!Pensando nisso, resolvi trazer 5 dicas para que você comece a colocá-las em prática, hoje mesmo, e garanta uma aposentadoria tranquila. 

#1 CONTINUAR CONTRIBUINDO COM O INSS 
Calma, antes que você me pergunte: “Bebeu shampoo, Claudinha, por que continuar contribuindo com o finado INSS?”   
É interessante lembrar que o INSS possui outros benefícios além da aposentadoria.Que benefícios são esses? Vou citar alguns, que estão no site do INSS. 

Aposentadoria por invalidez 
aposentadoria por invalidez é um benefício devido ao trabalhador permanentemente incapaz de exercer qualquer atividade laborativa e que também não possa ser reabilitado em outra profissão, de acordo com a avaliação da perícia médica do INSS. 
O benefício é pago enquanto persistir a invalidez e o segurado pode ser reavaliado pelo INSS a cada dois anos. 
Inicialmente o cidadão deve requerer um auxílio-doença, que possui os mesmos requisitos da aposentadoria por invalidez. Caso a perícia médica constate incapacidade permanente para o trabalho, sem possibilidade de reabilitação para outra função, a aposentadoria por invalidez será indicada. 
Saiba mais sobre os requisitos e agende o seu pedido na página sobre auxílio-doença. 
  
Auxílio-Acidente  
O auxílio-acidente é um benefício de natureza indenizatória pago ao segurado do INSS quando, em decorrência de acidente, apresentar sequela permanente que reduza sua capacidade para o trabalho. Essa situação é avaliada pela perícia médica do INSS. 
Como se trata de uma indenização, não impede o cidadão de continuar trabalhando. 
Leia o texto a seguir para entender melhor os requisitos e a documentação. Compareça a uma Agência para agendar o seu pedido

Principais requisitos 
O cidadão que vai requerer este tipo de benefício deve comprovar os seguintes requisitos: 
  • Ter qualidade de segurado, à época do acidente; 
  • Não há necessidade de cumprimento de período de carência; 
  • Ser filiado, à época do acidente, como: 
  • Quem tem direito ao benefício 
  • Empregado Urbano/Rural (empresa) 
  • Empregado Doméstico (para acidentes ocorridos a partir de 01/06/2015) 
  • Trabalhador Avulso (empresa) 
  • Segurado Especial (trabalhador rural) 
  • Quem não tem direito ao benefício 
  • Contribuinte Individual 
  • Contribuinte Facultativo
Pensão por Morte Urbana  
Benefício destinado aos dependentes (cônjuge, companheiro, filhos e enteados menores de 21 anos ou inválidos, desde que não tenham se emancipado; pais; irmãos não emancipados, menores de 21 anos ou inválidos) de beneficiário que era aposentado ou trabalhador que exercia sua atividade no perímetro urbano. 
O benefício é devido apenas aos dependentes do trabalhador urbano que vier a falecer ou, em caso de desaparecimento, tiver sua morte presumida declarada judicialmente (for declarado oficialmente morto) . 
A duração do benefício é  variável conforme a idade e o tipo de beneficiário. 
Para o cônjuge, o companheiro, o cônjuge divorciado ou separado judicialmente ou de fato que recebia pensão alimentícia: 
A duração será de 4 meses  contados a partir do óbito (morte): 
– Se o falecimento tiver ocorrido sem ter havido tempo para a realização de, ao menos, 18 contribuições mensais à Previdência; ou 
– Se o casamento ou união estável se iniciar em menos de dois anos antes do falecimento do segurado; 
A duração será variável conforme a tabela abaixo: 
– Se o óbito ocorreu depois de 18 contribuições mensais pelo segurado e pelo menos dois anos após o início do casamento ou da união estável; ou 
– Se o óbito decorrer de acidente de qualquer natureza, independentemente da quantidade de contribuições e tempo de casamento ou união estável. 

– Para o cônjuge inválido ou com deficiência: o benefício é devido enquanto durar a deficiência ou invalidez, respeitando-se os prazos mínimos descritos na tabela acima; 
– Para os filhos (equiparados) ou irmãos do falecido, desde que comprovem o direito: O benefício é devido até os 21 anos de idade, salvo em caso de invalidez ou deficiência adquiridas antes dos 21 anos de idade ou da emancipação. 

Quem pode utilizar esse serviço? 
Os dependentes que comprovarem que o falecido possuía qualidade de segurado do INSS na data do óbito; 
Os dependentes também terão que comprovar: 
– Para cônjuge ou companheira: comprovar casamento ou união estável na data em que o segurado faleceu (leia mais informações na seção aDuração do benefício); 
– Para filhos e equiparados: possuir menos de 21 anos de idade, salvo se for inválido ou com deficiência; 
– Para os pais: comprovar dependência econômica; 
– Para os irmãos: comprovar dependência econômica e idade inferior a 21 anos de idade, a não ser que seja inválido ou com deficiência.  

Salário-Maternidade Urbano 
Benefício devido a pessoa que se afasta de sua atividade, por motivo de nascimento de filho, aborto não criminoso, adoção ou guarda judicial para fins de adoção. 

  
O atendimento deste serviço será realizado à distância, não sendo necessário o comparecimento presencial nas unidades do INSS, a não ser quando solicitado para comprovação. 
Salário maternidade Rural deverá ser agendado. 
  
Saiba onde e quando pedir 

O salário-maternidade do empregado do microempreendedor individual deve ser requerido diretamente no INSS (§ 3º do artigo 72 da Lei nº 8.213/1991). 
  
Duração do benefício: 
A duração do Salário-Maternidade depende do motivo que deu origem ao benefício: 
  • 120 dias no caso de parto; 
  • 120 dias no caso de adoção ou guarda judicial para fins de adoção, independentemente da idade do adotado que deverá ter no máximo 12 anos de idade; 
  • 120 dias, no caso de natimorto; 
  • 14 dias, no caso de aborto espontâneo ou previstos em lei (estupro ou risco de vida para a mãe), a critério médico. 
  
Quem pode utilizar esse serviço? 
A pessoa que atender aos seguintes requisitos na data do parto, aborto ou adoção: 
  • Empregada MEI (Microempreendedor Individual); 
  • Pessoa desempregada, desde que mantenha qualidade de segurado; 
  • Empregada Doméstica; 
  • Empregada que adota criança; 
  • Casos de falecimento da segurada empregada que gerem direito a complemento de pagamento para o cônjuge viúvo. 
Quantidade de meses trabalhados (carência): 
  • 10 meses: para o trabalhador Contribuinte Individual (que trabalha por conta própria), Facultativo e Segurado Especial (rural); 
  • Isento : para segurados Empregado, Empregado Doméstico e Trabalhador Avulso (que estejam em atividade na data do afastamento, parto, adoção ou guarda); 
  • Para desempregados : é necessário comprovar a qualidade de segurado do INSS e, conforme o caso, cumprir carência de 10 meses trabalhados; 
  • Caso tenha perdido a qualidade de segurado, deverá cumprir metade da carência de 10 meses (ou seja, 5 meses) antes do parto ou fato que gerou o direito ao benefício ( Lei nº 13.457/2017 ). 

#2- DEFINA SEUS OBJETIVOS 
Para que seu futuro decorra do modo como você deseja, é necessário estabelecer objetivos. Desse modo, possuir uma estratégia é essencial. Comece refletindo sobre questões básicas, como por exemplo:Quando você quer se aposentar? 

Essa é uma variável essencial para planejar sua aposentadoria. Muitas pessoas cometem o erro de parar de trabalhar de repente, porque se sentem fisicamente cansadas ou desmotivadas no emprego. Entretanto, alguns anos podem fazer muita diferença em termos de planejamento. 
Você também deve pensar onde você quer morar, o estilo de vida que quer levar, as viagens que planeja fazer, por fim, tudo que possa estar compreendido em seu estilo de vida. Ainda que não seja possível prever com certeza quanto você necessitará possuir para viver como deseja, definir os objetivos é fundamental para fazer uma estimativa de quanto guardar por mês para alcançar seu objetivo. 

#3- FAÇA RESERVAS DIFERENTES PARA APOSENTADORIA E RESERVA DE EMERGÊNCIAS  
Economizar dinheiro todo mês é essencial para sua saúde financeira. Depois de adquirir este hábito, é necessário separar o dinheiro em duas “caixas”. Uma parte vai para o plano de aposentadoria e é fundamental que você não mexa neste dinheiro.  
A outra parte é voltada para a reserva de emergências, que pode ser utilizado para pagar as despesas de imprevistos com saúde, manutenção da casa, entre outros gastos que podem surgir de surpresa. Assim você não precisa tirar dinheiro do seu plano de previdência para pagar por um imprevisto.  
#4- PROCURE OUTRAS FONTES DE RENDA QUE NÃO SEJA O INSS 
Como eu já falei antes, dito anteriormente, contar apenas com a grana do INSS não lhe garantirá uma velhice tranquila e é uma estratégia bem perigosa. 

Desse modo, você deve pensar nela apenas como um complemento da sua fonte de renda principal. Considere a possibilidade de  investir, pois de nada adianta economizar e deixar o dinheiro embaixo do colchão, não é mesmo? 
Dinheiro parado não rende, muito pelo contrário, desvaloriza. Procure um investimento seguro para realizar a aplicação de suas economias e deixe o dinheiro trabalhando para você. Para você ter uma ideia do que eu estou falando veja a figura abaixo. 
#5- NUNCA É TARDE PARA COMEÇAR 
Ainda não começou? Que tal tomar esta resolução agora mesmo? É fundamental começar a pensar na aposentadoria bem antes dela chegar. E quanto antes as economias voltadas à Terceira Idade começarem, maior o montante acumulado e maior o acúmulo de ganho com juros.
Além do mais, quando você começa a planejar bem cedo a  aposentadoria o montante a ser economizado todo mês pode ser um pouco menor, já que ele será depositado por mais tempo. Lembre-se, o tempo passa e uma pessoa só deve trabalhar após os 65 anos por opção e não pela falta dela. 

Exemplo 
⇒Maria trabalha numa clínica médica e ganha um salário mínimo. Nos finais de semana ela ainda faz uma renda extra fazendo brigadeiros e todos os meses lucra cerca de R$ 300,00. Para isso, ela fez as contas e viu que poderá depositar mensalmente na poupança o valor de R$ 100,00 que será destinado a complementar a sua renda quando ela se aposentar.  

Se Maria depositar esse valor todos os meses, nos próximos 49 anos, ela terá acumulado o valor de R$ 212.165,39  (Soma Aplicações  R$ 58.900,00 + Juros R$ 153.265,39).        

Já Clara, amiga de Maria, é professora há 20 anos e ganha R$ R$ 2.298,80 e nunca se preocupou em investir para a aposentadoria. Depois de conversar com Maria decidiu começar a investir todos os meses, na poupança, o valor de R$ 200,00.  
Se Clara investir esse valor todos os meses, nos próximos 20 anos, ela acumulará o valor de R$ 160.820,69(Valor Total Investido R$ 74.600,00 + Valor Recebido em Juros Compostos R$ 86.220,69).     
  
Enfim, os exemplos das duas amigas foi a forma mais simples que eu encontrei para te contar que o tempo passa e uma pessoa só deve trabalhar após os 65 anos por opção e não pela falta dela. 

Curtiu essas dicas para garantir uma aposentadoria tranquila? Conhece outra dica interessante? Compartilhe conosco! A sua opinião é muito importante para nós!   
Fanpage - CLIQUE AQUI       
Instagram - CLIQUE AQUI       
Twitter - CLIQUE AQUI       
Email -claudiacma7@gmail.com    
 Você também vai curtir  

Nenhum comentário:

Postar um comentário